terça-feira, março 29, 2005

Mudar algo


Ao que parece, o Governo Sócrates prepara-se para repôr a regra do concurso público para cargos dirigentes da Administração Pública, uma norma que fora criada pelo Governo Guterres e logo depois revogada pelo governo Barroso. Eis um bom exemplo da "dança das cadeiras", neste caso, o "vira legislativo", segundo o perene princípio de "vira o disco e toca o mesmo" ou (para introduzir uma citação mais culta) "é preciso que algo mude para que tudo fique na mesma" (in "O Leopardo", de G. Lampedusa).

Acho que a nossa democracia anda a pedir uma lei-travão, do género: "sempre que uma política de um governo seja revertida por outro, em legislaturas consecutivas, uma terceira reversão necessitará de maioria qualificada de 2/3 no Parlamento". Ou seria melhor 5/4 ?

Bem canta o Jorge Palma: o mundo nunca parou de mudar mas, lá no fundo, é sempre igual.

3 comentários:

Anónimo disse...

...temos tb muito de Sicilianos.

António disse...

Muito engenhoso muda o título e o texto permanece igual nas três peças.

Considero que o concurso na função pública para os cargos dirigentes é uma medida correcta, embora não seja um processo isento de críticas, moraliza as admissões e a progressão na carreira, combatendo a "cunha" tão do agrado de alguns.

Ibn Sin disse...

Concursos públicos, à medida das clientelas. Só quem não sabe como eles são feitos. Vamos falar claro, o estado não existe, e isto a que chamam país é um sítio mal frequentado. Substituir os cargos por concurso torna uma coisa clara e transparente numa vigarice, só quem já não passou por eles é que não sabe como são feitos á medida, e assim o povo fica tranquilo e já acredita nas instituições