sábado, março 05, 2005

Ma Rainey: palavras incómodas


É muito difícil encontrar na net as letras dos Blues cantados por Ma Rayney (clips aqui). Apenas encontrei algumas neste site do blueslyrics.tripod.com. Não me foi possível, por exemplo, encontrar a letra de "Slave to the Blues" para além de um excerto. Porém, encontra-se um link para uma análise da canção "Slave to the Blues", à procura de elementos de protesto social - só que o link já não funciona (era este).

Relativamente aos próprios clips musicais surge por vezes este aviso: "sound clips may contain explicit lyrics" (ou seja, referências sexuais explícitas); será por isso que as letras foram "varridas" ?

Por exemplo: estes versos de "Don't Fish in My Sea" não são propriamente o modo usual de uma senhora afastar um "admirador":
If you don't like my ocean don't fish in my sea
Stay out of my valley and let my mountain be.
Nem é usual manifestar-se esta paixão pelo álcool, expressa em "Booze and Blues":
Went to bed last night, and I was in my sleep
Woke up this mornin', the police was shakin' me

I went to the jailhouse, drunk and blue as I could be
But that cruel old judge sent my man away from me

They carried me to the courthouse, Lordy, how I was cryin'
They jailed me 60 days in jail, and money couldn't pay my fine

Sixty days ain't long if you can spend them as you choose
But this seems like jail than a cell where there ain't no booze

My life is all a misery when I cannot get my booze
I spend every dime on liquor, got to have the booze to go with these blues.
Igualmente chocantes, por diferentes razões, são esta sentidas palavras de "Last Minute Blues", onde uma filha se queixa das "maldades" do próprio pai, as quais ela se recusa a revelar, já que não tem futuro:
Minutes seem like hours, hours seem like days
It seems like my daddy won't stop his evil ways

Seems like every minute's going to be my last
If I can't tell my future I won't tell my past

The brook runs into the river, river runs into the sea
If I don't run into my daddy, somebody ought to bury me

If anybody asks you who wrote this lonesome song
Tell 'em you don't know the writer, but Ma Rainey put it on.

1 comentário:

Karamelisses disse...

Pior que palavras incómodas, são as atitudes incómodas e inapropriadas...

Visitem o meu blog, vejam as afirmações da estilista Fatima Lopes sobre o uso de peles naturais... é indignificante... Não fiquem parados apenas a deixar tudo acontecer, tomem também uma atitude e divulguem...

São os animais que agradecem...

Um beijinho