sexta-feira, março 04, 2005

Bolonha segundo Freitas


Segundo o Professor Freitas do Amaral, Portugal é o país mais atrasado na aplicação do processo de Bolonha - o acordo internacional que visa a construção de um espaço europeu do ensino superior. A garantia foi dada ontem pelo professor Freitas do Amaral, que criticou o facto de o único documento legal produzido no País sobre o assunto, no mês passado, "deixar quase tudo por dizer".

Sofia de Jesus - Diário de Notícias

3 comentários:

Kgrilos disse...

Parabens pelo teu blog....

se puderes passa no meu e dá a tua opinião.... estou a começar e todas as opiniões são poucas

um abraço

KGrilos

O Raio disse...

Eu ainda não consegui perceber bem essa do tal acordo de Bolonha.
Mas à partida desconfio, como desconfio de tudo que vem com o selo Europa...
Este acordo parece servir para aumentar a mobilidade laboral dentro da Europa. Mas porque é que queremos mobilidade laboral dentro da Europa? A população da Europa não chega a 10% da população mundial. O que seria interessante seria aumentar a mobilidade laboral no mundo. Este acordo de Bolonha facilita isso? Ou só serve para nos amarrar ainda mais à Europa?

J.A. disse...

A mobilidade laboral favorece as empresas e os trabalhadores; quanto maior é o mercado melhor se faz a afectação de recursos.

Uma vantagem do Processo de Bolonha para Portugal é que serão forçadas reformas que, de outro modo, o corporativismo docente tratará de adiar o mais possível.

Mas Bolonha não é apenas isso: é também a mudança do paradigma actual (ir para a escola, aprender tudo, e depois ir trabalhar o resto da vida) pelo paradigma de aprendizagem ao longo da vida: curso inicial mais curto e regresso cíclico à escola.

Em Portugal parece que não se precebeu isto; discute-se se os cursos serão 3+2, ou 4+1, ou 3+1+1, ou seja, discute-se a forma sem ligar ao conteúdo.