domingo, janeiro 16, 2005

Meditação


A alma de Santana, abandonada,
Debruçando-se à janela, medita:
"- Que é do povo que antes me aclamava
Por Lisboa, Figueira e na Invicta ?"

De facadas cosida e cozinhada
Em lume que o Partido espevita,
Pobre alma, lê astros e acredita
Que outra sorte lhe estará destinada.

Mas o céu nada diz que a pena valha,
E Santana cogita, coça e pensa,
Quando sente uma intuição que se espalha

No corpo como bruma doce e densa:
"- Já sei como motivar a maralha:
Convocar Conferências de Imprensa!"

1 comentário:

Torcena disse...

E pelos visto há sempre um jornalista de serviço ao domingo à tarde.
Para ouvir o "trapalhão" acusar outro de "trapalhadas"...