segunda-feira, janeiro 24, 2005

Desenvolvimento desigual


Trata-se de um dilema clássico do desenvolvimento: investir recursos nas regiões mais pobres de um país (reforçando a coesão social mas atrasando o "combóio" no seu conjunto) ou investir nas regiões mais desenvolvidas, que funcionarão como "locomotiva" e arrastarão todo o conjunto?

Há teorias para tudo. Kuznets indicou a curva em U invertido, segundo a qual numa fase inicial do desenvolvimento as diferenças individuais de rendimento tendem a aumentar, só se esbatendo numa fase posterior - dinâmica que também se pode esperar das regiões; Hirshman defendia para o desenvolvimento um caminho "desequilibrado"; os "pólos de crescimento" de Perroux também valorizam as regiões "locomotiva".

Esta discussão caíu entretanto em desuso, tal como os teóricos referidos. Mas o Público de hoje apresenta um estudo sobre o "desenvolvimento desigual" das regiões portuguesas, equacionando de novo este dilema.

1 comentário:

OliveiraReis disse...

Mas o nosso referencial de o que é aceitável, do que é ser-se rico ou pobre não muda? O problema de qualquer teoria económica, parece-se, ainda que a este dilema se ponha, é que desleixa alguns processos altamente dinamicos ao nível da sociologia humana.
Quanto a mim, todos devem ter direito à melhor vida possível enquanto em vida, não sinto que o futuro deva viver melhor que o presente, e por isso este deva ser sacrificado em prol daquele. Até porque, e fundamentalmente, somos seres contraditórios até à espinha, nunca vamos fugir disso.