sexta-feira, julho 15, 2005

Passagem do tempo




Esta fotografia da praia de Sesimbra, colocada por um aluno do ISEG no seu fotoblog, fez-me regressar aos meus tempos de estudante. Podia ser eu, ali, no início dos anos 70. Mas não: o tempo passa.

4 comentários:

beijinhodorosario disse...

Cuidado que o gajo é de gestão! O que ainda safa o ISEG são os economistas...

J.A. disse...

A área científica é só uma: Economia.

Mas estará o ISEG realmente a "safar-se" ? Não se vê nada.

Sanearam o António Manuel Pinto Barbosa (referência histórica da Escola), deixam o Cavaco Silva definir-se como anti-ISEG (não vi reacção às palermices que escreveu, a propósito, na auto-biografia), não publicam coisa que se veja...

Renato Garrau disse...

Caro João aldeia, não importo que use fotografias da vila de Sesimbra tiradas por mim (com claros direitos de autor), mas agradecia que não transcrevesse textos "pessoais" que escrevo no meu photoblog, por razões obvias)
Quanto á forma em que este foi escrito, certo saberá que no mundo da internet actual, o uso de abreviaturas e de tudo o que possa significar uma poupança do tão valioso tempo é bastante comum entre esta "comunidade"

Quanto á questão do ISEG "safar-se", na minha opinião visto estar no 3ºano de Gestão e ter sido eleito dirigente asssociativo na AEISEG, esta faculdade apesar de ser a mais "conceituada" e com a melhor reputação no país (ou não), necessita de um "lifiting" na dinamização do ensino, do marketing e de todos os aspectos inerentes ao levar o ISEG a se a melhor escola de economia/gestão do país.
Se depender e de todos os alunos deste grandioso instituto, os primeiros passos irão ser dados.


Com os melhores cumprimentos,

Renato Garrau

J.A. disse...

A citação do texto não tinha nenhuma intenção critica. Todos os jovens, em todas as épocas, têm o seu modo de se exprimir - nem melhor nem pior - e eu achei que a citação era um bom exemplo da passagem do tempo, até pela referência à máquina fotografica digital, por exemplo.

Quanto ao ISEG, é certo que a deriva revolucionária pos-25 de Abril deixou muitas marcas, nem todas positivas. Na minha opinião, o ISEG terá um dia de fazer o balanço do que se passou. O silêncio dá margem para os ataques injustos de corifeus de outras escolas, tais como o referido Cavaco Silva na sua biografia, João César das Neves na biografia de Pinto Barbosa, e outros como como Braga da Macedo, que cita a amizade com o Paul Krugman e a oposição da "malta do ISE", em 1975, relativamente ao trabalho que aqui fez. É curioso que Krugman é actualmente atacado por ser keynesiano. Cavaco Silva fala com desprezo do ISE revolucionário, mas refere com orgulho o facto de, no seu tempo de estudante, ter participado em manifestações.

Seria de facto útil fazer-se o balanço dessa época.