quinta-feira, janeiro 06, 2005

A verdade às vezes dói

(Actualizado)

"Chegou a hora da verdade", disse ele
(Vítor Constâncio), referindo-se à redução do défice, ao apresentar o último boletim económico de Dezembro do Banco de Portugal (ver nota de apresentação). O problema é que o banco central reviu a taxa de crescimento da economia portuguesa para 1,6 % em 2005, quando o Orçamento de Estado foi elaborado com base numa previsão de crescimento de 2,4 % em 2005!

Junte-se a crescente dificuldade prática em se inventarem medidas excepcionais de receita e pode imaginar-se o que isto representa para a economia portuguesa nos próximos tempos. Mas também se podem imaginar as consequências eleitorais...

Entretanto o Primeiro Ministro e o ministro das Finanças encontram-se reunidos com Vitor Constâncio, sendo fácil imaginar os argumentos "económicos" de Santana Lopes perante esta desautorização das suas previsões.

Aguarda-se pois com expectativa o fim da reunião! É que a verdade às vezes dói!...

Actualização - afinal a "chamada" do Governador do Banco de Portugal a S.Bento serviu apenas para... mais uma conferência de imprensa do governo, com Bagão Felix a desvalorizar as previsões do Banco de Portugal e a citar...La Palice. Vejamos os "argumentos" do ministro das Finanças (frases não textuais):
Argumento 1 - pois, em Janeiro é muito fácil fazer previsões, mas eu tive que as fazer há uns meses atrás, o que é muito mais difícil [neste caso o ministro parecia até estar a aceitar as previsões do Banco de Portugal como boas, desculpando-se apenas do desacerto das suas];

Argumento 2 - o Banco de Portugal já se tem enganado em outras previsões que fez.
Ou seja: nem por uma vez o ministro desmentiu as previsões divulgadas por Vitor Constâncio mas, pelos vistos, já apanhou o estilo de Santana Lopes: fazendo de vítima (argumento 1) e insinuando que ele é que tem razão, embora sem nunca o afirmar directamente (argumento 2).

4 comentários:

LA disse...

Não esquecendo que Vitor Constâncio já foi Secretário geral do PS. Por sinal, derrotado por Cavaco Silva.

N Henriques disse...

Vê, eles não mudam.
Quando V. Constancio convinha a Durão Barroso, era imparcial e apartidário.
Ora que mostra as (de)eficiencias de Bagão Felix e de P. Santana Lopes, já "foi secretário geral do PS..."
Não há nada a fazer com estes "santa ...nites" .
Uma especie de 2ª. divisão B dos cavaquistas !
NH

hamy-pros-friends disse...

ainda há pouco tempo aquele crânio afirmou que a crise acabou...que tola!!!

LA disse...

"santa ...nites" ???
De facto, de todas as coisas que serei, essa não será de todo uma delas.
O facto mantem-se: Vitor Constâncio foi Secretário Geral do PS.
Outro facto é que o OE 2005 pressupunha taxas de crescimento muito elevadas. Leia o que escrevi na altura:
http://officelounging.blogspot.com/2004/10/o-oramento-de-estado-para-2005.html